"Examinai tudo. Retende o bem." (I Tessalonicenses 5 : 21).

OBRAS EM DESTAQUE

O que é o novo nascimento

  


  O novo nascimento é uma nova criação do alto por meio de uma operação direta da Palavra de Deus e do Espírito Santo na vida, transformando completamente a pessoa e tornando-a uma nova criatura em Cristo. Ele é o mesmo que:   

- A experiência da nova criatura (2Co 5.17).   
- A obra da nova criatura (Ef 4.24).   
- A experiência da salvação (Rm 1.16; 10.9-10; 2Ts2.13).  
- O batismo no corpo de Cristo (1Co 12.13; Gl 3.27-29).   
- A experiência de ter se tornado livre da lei do pecado e da morte (Rm 8.1-4). 
- A adoção na família de Deus (Rm 8.14-16).   
- A conversão do poder de Satanás para Deus (At 26.18).   
- A limpeza de todo o pecado (1Co 6.9-11; 1Jo 1.7-9; Ap 1.5).   
- A remissão dos pecados (At 2.38).   
- A reconciliação com Deus (Cl 1.10-23; 2Co 5.17-21).   
- A regeneração como filho de Deus (1Pe 1.2-4,18-23; Tg 1.18).

Provas bíblicas de que esses pecados condenarão a alma


    Há muitas afirmações na lista de pecados do tópico anterior que dizem claramente que as pessoas que cometerem tais coisas e que morrerem nesses pecados estarão perdidas. 
A própria Bíblia prova isso com as seguintes passagens:  
Por suas palavras serão condenados.   Mateus 12.37   Essas coisas tornam o homem impuro.

Mateus 15.20   As pessoas que praticam tais coisas merecem a morte.  
Romanos 1.32   Sabemos que o juízo de Deus contra os que praticam tais coisas é conforme a verdade.   
Romanos 2.1   O fim delas é a morte!... Pois o salário do pecado é a morte.   
Romanos 6.21,23   Pois se vocês viverem de acordo com a carne, morrerão.   
Romanos 8.13   Vocês não sabem que os perversos não herdarão o Reino de Deus?  
1 Coríntios 6.9   Aqueles que praticam essas coisas não herdarão o Reino de Deus.  
 Gálatas 5.21   Nenhum imoral, ou impuro, ou ganancioso, que é idólatra, tem herança no Reino de Cristo e de Deus.   
Efésios 5.5   É por causa dessas coisas que vem a ira de Deus sobre os que vivem na desobediência.  Colossenses 3.6   Mas os covardes, os incrédulos, os depravados, os assassinos, os que cometem imoralidade sexual, os que praticam feitiçaria, os idólatras e todos os mentirosos - o lugar deles será no lago de fogo.  
Apocalipse 21.8   Aquele que pecar é que morrerá

Todos os homens são pecadores e depravados




O estado atual daqueles que não estão em Cristo é uma depravação total — o homem sem Deus é poluído e corrupto em toda a sua natureza.
 Seu entendimento está obscurecido (Ef 2.3; 4.18), 
sua consciência culpada (Hb 10.22),
 sua vontade obstinada e rebelde (Rm 8.7), 
suas paixões são carnais e sensuais (Ef 2.1-3; Gl 5.19-21; Mc 7.19-21; Rm 1.18-32; 1Co 6.9-11), 
seus pensamentos são continuamente maus (Gn 6.5; 2Co 10.4-5), seu coração está cheio de abominações (Jr 17.9; Mc 7.19-21; Rm 1.18-32) 
e sua vida e conduta são dedicadas a toda a sorte de concupiscências e prazeres (1Co 6.9-11; Gl 5.19-21; Ef 2.1-3; Rm 1.18-32).   
Ele é escravo do pecado (Jo 8.34),
 injusto (1Co 6.9-11; Sl 51.5; Ef 2.1-3), morto em suas transgressões e pecados (Ef 2.1-9), separado de Deus devido aos maus procedimentos (Cl 1.20-22) e por causa de seus pecados (Is 59.2), 
sem esperança e sem Deus no mundo (Ef 2.11-13; 4.13.32; Rm 3.9-25), 
cego para a verdade (2Co 4.4; Ef 4.18), 
luxurioso (Ef 2.3)
e condenado eternamente à morte e ao Inferno (Rm 6.23; Mt 25.41,46; Ap 14.9-11; 19.20; 20.11-15; 21.8; Jd 7; Is 66.22-24).

MENSAGENS DO TÚMULO DE JESUS João 20.4




Introdução:  O  túmulo  vazio  de Jesus é  uma  trombeta  que  está  permanentemente  tocando.  Ouçamos  algum as  de suas  mensagens.


1. O sacrifício  de Jesus foi  aceito
1.1.  Por ter sido  um sacrifício  perfeito
1.2.  Por ter sido  um sacrifício completo
1.3.  Por ter sido  um  sacrifício  irrepetível

2. Jesus  Cristo venceu  para todo o sempre
2.1.  Ele venceu  a  morte  para  sempre
2.2.  Ele venceu  o diabo  para sempre

2.3.  Ele venceu  o inferno  para  sempre

3.  A s  Escrituras são verdadeiras  e fiéis
3.1.  Elas  predisseram  a  morte de Jesus
3.2.  Elas predisseram  a  ressurreição de Jesus

3.3.  Por isso Jesus  morreu  e ressuscitou

4.  Nós também  ressuscitarem os
4.1. A  ressurreição  de Jesus é fonte  de alegria, Jo  2 0,2 0 
4 . 2 . 0  Cristo  ressuscitado é a  Cabeça  da  Igreja
4 3 .  Sua  ressurreição  abriu  caminho  para  a  ressurreição 

de todos os Seus seguidores. 1 Co 15.20; 1  4 .13 -1 8

5.  Com  certeza Jesus voltará  outra vez
5.1. Ao  contrário de todos  o s  outros  que  morreram,  Ele não  permaneceu no túmulo
5.2.  Antes de  morrer.  Ele  prometeu voltar, Jo  1 4 .1 8
5.3.  Sua ressurreiçào fortalece nossa esperança em Seu 

iminente  regresso,  1  C o  15,2 0




A RESSURREIÇÃO DE CRISTO João 20.20




1.  Um fato  anunciado,  SI  16
2.  Um fato comprovado,  1  Co  15.5,8
3.  Um fato  proclamado, Jo  20.18
4.  Um  fato  festejado, Jo  20.20
5.  Um  fato fundamental,  1  Co  15.12-19 
6 .  Um  fato  glorioso,  1  Co  15.20,57

A responsabilidade dos santos em relação à batalha espiritual

    


1. Tome cuidado para não negligenciar o que trará esclarecimento sobre a batalha espiritual (Sl 1.2-4; 2Tm 2.15; 3.15-17).  

 2. Não se torne uma presa fácil às críticas dos outros nem aos cuidados prementes da vida que o mantêm ocupado, impedindo-o de empenhar-se na batalha e obter êxito (Lc 21.34-36; Ef 6.10-18).  

 3. Não se esqueça de que bastam as armas espirituais para lhe dar vitória sobre o pecado e Satanás (2Co 10.4-7; Ef 6.10-18).   

4. Não negligencie a oração e a leitura da Bíblia (Ef 6.18; 1Tm 4.12-16).   

5. Não se desanime quando parecer que você está perdendo a guerra (1Tm6.12; 2Tm4.7; 1Pe 1.7; 4.12; Tg 1.12).   

6. Fique alerta e resista a Satanás (Tg 4.7; 1Pe 5.8-9).  

7. Não deixe de usar a autoridade de Cristo por meio de seu precioso sangue, de seu nome e do poder do Espírito Santo contra os poderes demoníacos (At 1.8; Jo 14.12-15; Mc 16.15-20).

8. Não deixe de realizar a vontade plena de Deus, de forma racional, à medida que tomar conhecimento dela. Ande na luz da Palavra de Deus (1Jo 1.7)

Como detectar as manifestações do Espírito Santo

   


A verdadeira manifestação do Espírito Santo será indicada pelas regras claras e princípios cristãos apresentados a seguir.     

1. Um espírito semelhante ao de Cristo: de amor, paciência e fé em Deus (Gl 5.21-22).  
2. Sobriedade e agudeza de visão espiritual (2Tm 1.7; 1Co 12.1-11).  
3. Profunda humildade de coração e mansidão de espírito, aliados a uma grande coragem para rejeitar o pecado, a doença, a pobreza, a enfermidade, o desânimo, o erro e tudo mais que possa produzir derrota na vida cristã (At  1.8; 10.38; Rm 8.1-13; Gl 5.16-26)

4. Absoluta clareza das faculdades mentais para agir de forma inteligente ao colocar em prática as instruções bíblicas em relação à responsabilidade e vida cristã (1Co 14.32;2Tm 1.7).   

5. Ausência de julgamentos, suspeitas, boatos, difamação e de todas as obras da carne, conforme relacionadas em Romanos 1.29-32, 1Coríntios 6.9-11, Gálatas 5.19-21 e Marcos 7.10-22.  

6. Ausência de um espírito condenador e julgador ou do desejo de ferir alguém por pensamento, palavra ou ação. Tudo deve ser feito para a edificação e aperfeiçoamento de todos, segundo os ensinamentos de Jesus de amar ao próximo como a nós mesmos e de não fazer aos outros aquilo que não gostaríamos que nos fizessem (1Co 13; Ef 4.22-32; 5.1-18).  

7. Ausência de ignorância quanto à vontade divina no momento. Quando alguém se sentir impulsionado a agir de forma apressada e urgente, sem saber se esta ação glorificará ou não a Deus, será melhor esperar e orar até não haver mais dúvidas de que Ele realmente a deseja. Se Deus estiver nos levando a agir, não considerará um insulto examinarmos o espírito e julgarmos racionalmente se a ação proposta é bíblica ou não, pois Ele mesmo ordena que realizemos esse tipo de julgamento (1Jo 4.1-6).   Se Deus estiver conduzindo, poderemos esperar, assim como Gideão esperou, até termos certeza. Gideão pediu dois sinais impossíveis a Deus para ter certeza e agir segundo a vontade dele. Entretanto, não se deixe guiar inteiramente pelos conhecidos sinais (ou pela abertura aleatória da Bíblia em algum versículo para conhecer a vontade de Deus). Julgue todos os "sinais" segundo a Palavra e aguarde até ter certeza de que é Deus quem está lhe pedindo para fazer alguma coisa. Todos os atos do Senhor são voltados para ssencialmente, libertar o homem do pecado e o corpo da dor, da enfermidade e da privação ou para alguma outra coisa boa que alguém precise (At 10.38). A obra de Satanás visa cegar, ocasionar pecado, desanimar, minar a fé e gerar erro (Jo 10.10).

A realidade dos anjos caídos



1. Os anjos são inteligentes e sábios (2Sm 14.20; 19.27; Mt 24.35).  

2. Eles são imortais e poderosos (Dn 10.5-21; Lc 20.36; Ap 12.7-12). 

 3. Eles não são seres humanos (At 23.8-9; Hb 2.9,16).  

4. Eles têm vontades e corpos espirituais com membros como os homens (Is 14.12-14; Dn 10.5-21; Ap 12.7-12; 20.1-10; Gn 18-19; Js 5).  

5. Eles podem operar, e efetivamente operam, no reino material (Ap 9.11,14; 12.7-12; 20.1-10). 

 6. Eles guerreiam em combate corporal real (Ap 12.7-9; Dn 10.5-21).  

7. Eles governam nações (Dn 10.13-21; 12.1; Ef 6.10-18)

8. Eles são seres criados (Gn 6.1-4; Jó 1.6; 2.1; 38.7; Cl 1.15-18).  

9. Os anjos caídos são organizados em principados e poderes para guerrear contra os santos (Rm 8.38; Ef 6.10-18; 1Pe 3.22).  

10. Eles se dividem em duas classes - bons e maus (2Pe 2.4; Jd 1.6-7; Ap 12.7-9).  

11. Eles estão sujeitos a Jesus Cristo (1Pe 3.22).  

12. Os anjos rebeldes serão lançados fora do céu (Ap 12.7-12).  

13. Os anjos caídos enganam os homens (2Co 11.14), se opõem aos santos (Rm 8.38; Ef 6.10-18), caíram originalmente com Lúcifer (Is 14.12-14; Ez 28.11-17; Mt 25.41; Ap 12.7-12) e estão condenados ao fogo do Inferno por toda a eternidade (Mt 25.41; Jd 1.6-7; Is 24.21-23; 25.7).   

14. Eles comem alimentos (Gn 18), usam roupas (Jo 20.12), observam os homens (1Co 4.9), cozinham (1Rs 19.5-7), viajam (Ap 8.13; 9.1), falam línguas (1Co 13.1), testemunham confissões (Lc 12.8-9) e fazem muitas coisas que os homens fazem.  

15. Eles têm uma alma pessoal e faculdades espirituais como os homens (Lc 15.1-10; 1Co 11.10; Mc 8.38; Lc 2.13; Ap 5.11; Jó 4.18).  16. Eles têm o aspecto físico dos homens (Gn 18.1-16; 19.1-5; Js 5.15;Jz 6.11; 13.6-20; Dn 10; At 12.7-11; Hb 13.2)

A Bíblia revela Satanás como uma pessoa real, e suas atividades e personalidade são claras



1. Ele é o enganador de todos os homens (Ap 12.9; 20.1-10; 2Co 11.14).  

2. Ele tinha o poder da morte até Cristo ter destruído a morte, o Inferno e o Hades (Hb 2.14; 1Co 15.24-28; Ap 1.18; 20.11-15). 

3. Ele é o líder de todos os seres humanos que são pecadores e apóstatas (1Jo 3.8-10; 1Tm 5.15) e de todos os espíritos rebeldes (Ef 6.10-18; Mt 9.34).  

4. Ele causa toda a sorte de doenças e enfermidades físicas e mentais (Lc 13.16; Jo 10.10; At 10.38). 

 5. Ele tira vantagem das adversidades enfrentadas pelos homens usando-as para fomentar a rebelião e mantê-los cativos (2Co 2.11; 1Tm 1.20; 5.11-15; 1Pe 5.8-9).  

6. Ele tenta os homens e os leva a pecar (1Cr 21.1, Mc 1.13; 1Co 7.5).  

7. Ele ofende e faz oposição a Deus (Mt 16.23). 

 8. Ele se disfarça de anjo de luz com o propósito de enganar (2Co 11.14).  

9. Ele resiste àqueles que servem a Deus (Zc 3.1-2; 1Pe 5.8-9).  

10. Ele induz pessoas a confrontar Deus (Lc 22.3; Jo 13.2).  

11. Ele envia mensageiros para derrotar os santos (2Co 12.1-7; Dn 10.12-21).  

12. Ele impede que a Palavra de Deus seja difundida (1Ts 2.18; At 13.10).   

13. Ele rouba a Palavra de Deus dos corações das pessoas, a fim de que não creiam nela e não sejam salvas (Mt 13.19; Lc 8.12).  

14. Ele transfere poder de operar milagres aos homens (2Ts 2.9; Ap 13.1-18).  

15. Ele guerreia contra os mensageiros de Deus e, às vezes, os mantém cativos (Dn 10.12-21).  

16. Ele prepara ciladas e armadilhas para os homens caírem em pecado (1Tm 3.7; 2Tm 2.26)

17. Ele faz guerra contra os santos (Ef 6.10-18; 1Pe 5.8-9).  

18. Ele desvia a atenção dos homens e os cega em relação à Palavra de Deus (2Co 4.4).  

19. Ele promove mente dividida (Tg 1.5-9), dúvida e incredulidade (Rm 14.23; Gn 3.4-5), escuridão e opressão (2Co 4.4; 2Pe 1.4-9), morte e fraqueza (Hb 6.1; 9.14), procrastinação e exposição (At 24.25;26.28) e divisões e disputas entre as pessoas (1Pe 5.8; 1Co 3.1-3). 

 20. Ele incita as paixões e as concupiscências nos seres humanos e se apodera deles à medida que se submetem às suas forças demoníacas (Jo 8.44; Ef 2.1-3; 1Jo 2.15-17)

8 ordenanças no livro de Jonas:



1  Levanta-te, vai à grande cidade de Nínive (1.2).
2 Clama contra ela.
3 Levanta-te, clama ao teu Deus (1.6).
4 Levantai-me, e lançai-me ao mar (1.12).
5 Levanta-te, e vai à grande cidade de Nínive (3.2).
6 Prega contra ela a mensagem que eu te digo.
7 Os  homens e os animais sejam  cobertos desacos, e clamem fortemente a Deus (3.8).
8 Convertam-se, cada um do seu mau caminho,e da violência que há nas suas mãos.

ABRAÃO



ABRAÃO
No hebraico significa «pai de um a multidão»,  o fundador  da  nação  hebréia.  Até  Gên.  17:4,5,  ele  é chamado  de  Abrão,  «pai  da  elevação»,  ou  «pai exaltado»,  embora o sentido  desse  nome seja incerto. O  nome  mais  longo  evidentemente  íoi  adotado  por causa  da promessa  de  sua  numerosa posteridade

1.  Fontes informativas.A narrativa veterotestamentária, em Gên.  11:26-25:18, é primária e importantís­sima.  Mas muitas descobertas arqueológicas têm aumentado  nosso  conhecimento  sobre  a  época  e  o mundo de Abraão.

2.  História primitiva. Era  nativo  da  Caldéia.  Por meio de Eber,  estava na nona geração depois de Sem, filho  de  Noé.  Seu  pai  foi  Terá  que  teve  dois  outros filhos,  Naor e Harã.  Harà morreu cedo,  deixando seu filho  Ló,  que  se  apegou  a  seu  tio  Abraão.  Harã 
também  deixou  duas  filhas,  uma  das  quais,  Sara, tornou-se esposa  de Abraão.  Lemos,  em  Gên.  20:12, que Abraão chamou Sara de «irmã»,  filha de  seu pai, mas  não  de  sua  mãe.  Mas  alguns  eruditos compreendem  que  o  hebraico  diz  que  Harã  era meio-irmão  de  Abraão  e,  nesse  caso,  Sara  era sobrinha de Abraão.  De acordo com um hebraico 
elementar,  isso  poderia  ser  indicado  chamando-a «irmã»  de  Abraão.  Mas o ponto é  disputado.
Abrão nasceu em cerca de 2333,  em Ur dos caldeus (Gên.  11:28),  mas  todas  essas  datas  antigas  são questionáveis  e  incertas.  Nada  sabemos  sobre  a  sua vida senão quando ele já tinha setenta anos  de idade. Há tradições  que procuram  preencher os claros,  mas 
mui  provavelmente  sem  base  nos  fatos.  Terá  é apresentado como um idólatra e fabricante de ídolos.

3.  Ur  dos  caldeus (ver  o  artigo  a  respeito).  A arqueologia moderna usualmente identifica essa cida­de com a atual  Tell el-Muquyyar,  a  15  quilômetros a oeste  de  Nasireyeh,  à  beira  do  Eufrates,  no  sul  do Iraque.  Terá viajou  por  cerca  de  mil  quilômetros  de Ur  até  H arã,  localizada  à  beira  do  rio  Balique,tributário  do  Eufrates,  onde  se  estabeleceu  (Gên. 
11:26-32).  Há  lendas  que  dizem  que  A braão, desgostoso com a idolatria de seu povo,  foi perseguido por  Ninrode  e  foi  lançado  em  uma  fornalha  acesa, embora tivesse sido livrado da morte por um milagre. Alguns acreditavam  que  Abraão  trouxera  a  astrono­mia  (astrologia)  da  Caldéia  para  o  ocidente,  tendo ensinado essa ciência  aos  egípcios (Josefo,  Ant. i.8), 
mas nada se sabe quanto à exatidão desses relatos,  e o próprio Josefo  duvidava  da  maioria  deles.

4.  Chamada de Abraão.Abraão tinha sessenta anos de idade auando sua família deixou Ur e foi p ara 
Harã.  Não  sabemos dizer o motivo da imigração, embora Josefo  (Ant.i.6,5) tenha dito que a razão foi a tristeza de Terá ante a morte de seu filho Harã.  Mas o trecho  de Judite  5:6-8  afirma  que  o  motivo  foi  a revolta contra  a  idolatria.  O utros  supõem  que  a mudança  de  lugar  teve  razões  econômicas,  a  fim  de buscar algum  lugar  mais próspero.
Com  a  idade  de setenta e cinco anos,  Abraão,  sua esposa Sara e seu  sobrinho Ló,  com  suas  possessões, em resposta à chamada divina,  partiram  para  a  terra de Canaã, cerca de seiscentos e cinqüenta quilômetros de Harã. Durante a jornada,  pernoitaram em Siquém e Betei. (Ver Gên.  12:1  quanto à chamada de Abraão por parte  do  Senhor).  A  princípio  ele  se  estabeleceu 
no Neguebe,  mas,  devido  a  um  período  de  escassez, continuou  viagem  até  o  Egito.  Devido  à  sua  beleza física,  Sara  atraiu  a  atenção  do  Faraó.  Mas  a providência  divina  interveio  mediante  pragas,  impe­dindo  qualquer  consternação.  Após  a  crise,  Abraão retornou  a  Neguebe  (ver  Gên.  12:1-20).  Posterior­mente, mudaram-se para as vizinhanças de Betei. E a prosperidade ditou que Abraão e Ló  deveriam  dividir suas  possessões,  tornando-se  independentes  um  do outro.  A braão  permitiu  que  Ló  escolhesse  seu território, e este escolheu o vale do Jordão e a cidade 
de  Sodoma.  Abraão  estabeleceu-se  na  área  de Hebrom.  Invasores vindos  do norte  arreb ataram 
cativos a  Ló e aos reis do vale  do Jordão.  Abraão combateu-os,  havendo  grande  m atança;  e  dos. 
despojos,  deu dízimos a Melquisedeque,  sacerdote do Deus Altíssimo e rei  de  Salém (Gên.  14:1-24)

5.  O  herdeiro. Não  tendo  filhos,  Abraão  nomeou Eliézer,  de  Damasco,  como  seu  herdeiro.  Mas  Deus lhe prometeu,  mediante pacto,  um  filho e a  posse  da terra  (Gên.  15:1-21).  Passaram-se  dez  anos,  sem  o nascimento de um filho.  Então Sara deu Hagar como concubina a Abraão.  E  assim  nasceu  Ismael.  Porém, com o tempo,  mãe e filho foram  rejeitados e enviados ao  deserto.  Abrão  tornou-se  A braão  (pai  das multidões),  como  sinal  da  certeza  do  nascimento  de um filho e herdeiro.  A circuncisão foi instituída como sinal  do  pacto (ver Gên.  17:10-14).  Entrementes,  Ló 
caiu em dificuldades e em pecado,  e o anjo advertiu-o de  que  Sodoma  e Gomorra seriam  destruídas,  o  que não demorou a cumprir-se.  Na fuga,  a mulher  de Ló 
foi castigada por sua teimosia, e foi transformada em estátu a  de  sal.  Mediante  incesto  com  seu  pai (inconsciente  este  do  que  estava  sucedendo),  suas filhas  engravidaram..  E  nasceram  Moabe  e  Amom, cujos descendentes tornaram -se os  m oabitas e os amonitas.  (Ver Gên.  19:24-38).
Várias  vicissitudes,  incluindo  o  incidente  em  que Abimeleque quisera tomar Sara como sua mulher (ver Gên.  20:1  ss.),  não puderam  impedir o cumprimento da promessa.  E assim,  através  da intervenção  divina, Isaque nasceu,  quando Sara estava com cem  anos  de idade  (Gên.  20:1-18).  Nesse  ínterim,  divinamente preservado,  Ismael  migrou-se para o deserto de Parã, 
onde  haveria  de  tomar-se pai de uma  grande  nação, de acordo com  uma promessa divina

O Amor de Deus da seguinte maneira:



Deus
O maior Doador – Deus deu-se a Si mesmo por amor.

amou
O maior motivo – 2 Coríntios 9:15 – amor incomparável.

o mundo (eu e você)
O maior necessitado – por causa dos nossos pecados.

de tal maneira que deu
O maior gesto – ação de amor e não apenas sentimento.

o Seu Filho único
O maior presente – não há outro igual.

para que todo aquele
O maior convite – é de graça para nós não para Jesus.

que nEle crer
A maior oportunidade – pela fé.

não morra
O maior livramento – perdoados e libertos da morte eterna.

mas tenha a vida eterna
A maior alegria – João 3:17-18.

7 segredos de uma vida vitoriosa (Gl 5)


1  Estai  firmes  na  liberdade  do  evangelho  e  re­nuncie a  toda observância da  lei  (w .  1-3).
2 Mantenha a justificação na graça e obedeça à verdade  (w . 4-15)
3 Ande no  Espírito (w .  16,17).
4  Seja guiado pelo  Espírito (v.  18).
5 Crucifique a carne com suas paixões e concu­piscências (w .  19-21,24).
6  Demonstre  o  fruto  do  Espírito  na  vida  diária (w . 22,23).
7 Viva  no Espírito (w . 25,26).