"Examinai tudo. Retende o bem." (I Tessalonicenses 5 : 21).

OBRAS EM DESTAQUE

A divindade e a humanidade de Jesus



Sua humanidade
Ele cresceu (Lc 2.40,52).
Ele tinha aparência de homem ( J o 4.9; 20.15).
Ele teve fome (M t 4.2).
Ele conheceu a sede ( J o  19.28).
Ele ficava cansado (M c 4.38; J o 4.6).
Ele chorou (Lc  19.41; J o  11.35).
Ele sofreu, sangrou e morreu  (M t 27.50; J o  19.34; 1  Pe2.21).
 

Sua divindade
Ele é chamado de Deus (Tt 2.13).
Ele é e terno (Ap  1.8,18).
Ele não muda (H b  13.8).
Ele é Todo - poderoso (H b 1.3).
Ele é onisciente (Cl 2.3).
Ele é onipresente (M t 18.20)

Eu Tenho a Chave




Não há nenhuma dúvida quanto ao significado espiritual da chave de Davi no Novo Tes­tamento. 
O próprio Jesus, na carta à igreja de Filadélfia, declara que Ele é “aquele que é santo
e verdadeiro, que tem a chave de Davi”. Ele fecha e abre a porta, e ninguém pode reverter sua
decisão. Ele é o verdadeiro Eliaquim, “a Ressurreição” e “o Vingador”.
 

O Novo Testamento declara que Ele tem todas as chaves:
Do Reino dos céus (Mt 16.19)
Do conhecimento (Lc 11.52)
Da morte e do Hades (Ap 1.18)
Do poço do Abismo (Ap 9.1; 20.1)
De Davi (Ap 3.7)


Ele tem a chave para todas as situações. Ele deixa que as pessoas entrem ou as mantêm
do lado de fora. Se ele não usar a chave para abrir a porta, ninguém poderá entrar. Esse é
0 significado verdadeiro de seu uso em Atos 15.15-18. A chave de Davi é a que abre a porta
da fé e deixa tanto judeus quanto gentios entrarem no relacionamento da nova aliança com
Deus, por meio de Cristo.



Os materiais de origem vegetal usados no Tabernáculo são:




1. Linho fino: Apocalipse 19. 7,8 menciona claramente que o linho fino“são os atos justos dos santos”. Os santos, contudo, somente experimentam essa justiça quando se revestem de Cristo. Assi m, esse elemento representa primeiramente a justi ça de Cristo ( veja também Apocalipse 15.5,6).
 

2. Madeiro de acácia: Esta madeira usada no Tabernáculo é bastante durável. A Septuaginta traduz como “incorrupt í vel ” ou “não deterior ável ”.Como a madeira é produzida na terra, ela revela a natureza humana de Cristo.A madeira de acácia ou madeira incorrupt í vel est á relacionada à humanidade incorruptível, sem pecado, do Senhor Jesus Cristo, que é o “renovo [ramo novo] justo”. Da mesma forma também está relacionada ao seu corpo redimido, a Igreja ( veja Isa ías 11.1-3 e Jeremias 25.5-6).
 

3. Óleo para a iluminaçã o: O óleo sempre simboliza o Espírit o Santo.Aqui ele é usado para a iluminação, revelando o minist ério de iluminação representado pelo Espírit o Santo. Cabe ao Espírit o Santo iluminar nossos olhos para a Palavra de Deus (1 João 2.20,27; João 1. 41).
 

4. Especiarias para o óleo da unção: A unção com óleo revela a ação do Espírito Santo nos ungindo para o ministério. As especiarias, portanto, referem-se aos dons, caráter, fruto e outras ações do Espírito Santo ( 1 João 2.20,27;Gálatas 2,23 e Cantares 4.16).
 

5. Especiarias para o incenso aromático: O incenso simboliza a oração,que chega ao Senhor como incenso ( Salmo 141.2). As especiarias para este incenso aromático representam os vários aspectos ou tipos de oração:intercessórias, de louvor e de adoração a Deus. O incenso sempre se move no sentido do homem em direção a Deus (Lucas 1.10; Romanos 8.26,27 e Apocalipse 5.8) .

Os materiais de origem mineral usados no Tabernáculo são:




1. Ouro: Tanto no Antigo como no Novo Testamento, o ouro sempre está relacionado à divindade, à natureza divina, para a glória de Deus e de Deus Pai.
(Examine os seguintes versí culos: Jó 23.10; 1 Pedro 1.7; 2 Pedro 1.4 e Apocalipse 21. 21, 22).
 

2. Prata: Esse metal precioso relaciona-se com a redenção, com a expiação, com o valor do resgate e com Deus, o Filho. Essa relação se torna evidente no preço pago pela traição de Cristo, nosso resgatador ( veja também: Êxodo 30.11- 16; Zacarias 11.12,13 e 1 Pedro 1.18-20).
 

3. Bronze: Esse metal simboliza poder e juí zo contra o pecado, e está relacionado ao Espírit o Santo de Deus. Deus declara que se nós não atentarmos para a sua voz, o céu sobre nossas cabeças ser á como bronze (Deuteronômio 28.13- 23), expressando o juí zo de Deus sobre o homem. Se nós não atentarmos para a sua voz, Ele não atentará para a nossa voz (passagens adicionais: Números 21.5-9; Jó 40.18; Isaías 4.4 e Apocalipse 1.12-15).
 

4. Pedras preciosas: As pedras preciosas deveriam ser utilizadas principalmente nas vestes sacerdotais, representando os vários dons do Espírito Santo, a glória dos santos, as riquezas pertencentes ao povo de Deus e os atos de justi ça dos fil hos de Deus. Elas dão testemunho tanto da Palavra quanto do Espírito (1 João 5.6- 11) Para referências adicionais, veja Provérbios 17.8, 1 Coríntios 3. 9-17 e Apocalipse 21.18- 20


Os seguidores da Nova Era utilizam-se muito de simbolismo.




Yin-Yang.  Antigo  símbolo  oriental, originária  do  taoísmo,  que  representa  o negativo  e  o  positivo.  Simboliza  o equilíbrio  das  energias  cósmicas  divinas com  deus  dois  pólos  opostos

 
Fita  Entrelaçada.  Simboliza  a interdependência  global  com  a  unificação de  todos  os  setores.  Foi  utilizada  por Marilyn  Ferguson  em  seu  livro  A Conspiração  Aquariana,  em  1980.


 
Urano.  É  o  planeta  que  rege  a  era  de aquário,  segundo  os  astrólogos. Simboliza  a  harmonia e  o  equilíbrio  entre os  homens  e  o  cosmos.


 
Pirâmide.  Utilizada  como  captadora  de energia  cósmica,  que  segundo  crêem, beneficia  as  pessoas.




 Pentagrama.  De  cabeça  para  cima simboliza  o  Ser  Cósmico  Divino  em  sua plenitude,  o  Todo  Divino,  o  Absoluto.  0 triângulo  superior  com  um  olho  ao  centro significa  o  ser  superior  a  todos  na  cadeia hierárquica,  onde  encontramos  presente o  fator  lúcifer.  Acreditam  que  o pentagrama  é  um  potente  emanador  de bons  fluídos.  Já  de  cabeça  para  baixo,torna-se  emanador  de  maus  fluídos.


 
Pé  de  Galinha,  Símbolo  da  Paz.  É  a cruz  representada  com  os  braços quebrados,  o  que  seria  uma  suposta  e ilusória  vitória  de  satanás  sobre  Cristo. Conforme  crêem,  utilizar  este  símbolo em  brincos,  pingentes,  broches,  etc., proporciona-lhes  paz.  Outros  nomes:  pé- de-bruxa,  cruz  de  Nero  e  pé-de-duende.


 

666.  Os  aquarianos  difundem  este  como sendo  um  de  seus  principais  símbolos. Este  número  é  mencionado  na  Bíblia  (Ap 13.18)  referindo  à  besta  (satanás). 

 

Anarquia.  Esta  é  a  marca  registrada  de satanás.  Como  o próprio  nome  sugere,
anarquia  é  um  estado  de  coisas  que  o diabo  gosta,  pois  o  seu  trabalho  é  criar  o
caos  onde  Deus  criou  a  perfeição.  Jesus disse  que  ele  veio  para  matar,  roubar  e destruir  (Jo  10.10). 



 
 Cruz  Suástica  ou  Cruz  Gamada.  Muito difundido  como  símbolo  do  nazismo durante  a  2a  guerra  mundial.  Suas
extremidades  foram  viradas  para  trás  em ângulos  retos.  Suástica  vem  da  língua sânscrita  que  significa  "está  tudo  bem"
ou  "assim  seja"  e,  segundo  os  místicos, implica  em  aceitação,  indicando  vida, movimento,  prazer,  felicidade  e  boa sorte.



Hang  Loose  ou  Mão  Boba.  "Hang Loose",  estas  palavras  querem  dizer
"pendurar  frouxo"  ou  "suspender frouxamente".  No  caso  a  segunda tradução  é  a  mais  exata.  Significa  desde admitir  a  impotência  sexual  até  a incapacidade  de  levantar-se  da  cama.  Ou seja,  tudo  o  que  uma  pessoa  for  fazer para  cima  para  o  progresso, "suspender",  o  fará  frouxamente.  Quer dizer que  as  pessoas  estão  prostradas. 


 


Invocação  Satânica.  Sinal  secreto  para invocação  de  demônios.  Seitas  secretas que  cdoram  a  satanás  adotam  este  sinal para  invocação  dos  poderes  das  trevas  e ain-‘_.  cm  muitas  destas  seitas,  a  "mão chifrada"  é  um  sinal  de  saudação  ou  é feito  secretamente  para  identificação mútua.

 
Mancha  Louca.  Em  termos  gráficos  esta mancha  é  uma  variante  hexaxial,  ou  um círculo  com  seis  reentrâncias  em  formas arredondadas,  usados  com  logotipo  de empresas  e/ou  produtos  em  geral. Esotéricamente,  o  nome  diz  tudo, "mancha  louca".  É  conhecida  também como  manha  de  sangue  e  o  objetivo  é vulgarizar  o  sangue  purificador  de  Jesus, com  a  finalidade  de  torna-lo  banal  e  sem nenhum  valor  como  elemento  remissor dos  pecados  da  humanidade. 




Olho  de  Satã.  Tem  origem  egípcia, significando  que  satanás  está  de  olho  em todas  as  coisas.  0  losango  abaixo  do olho  representa  o  choro  por todos  os  que estão  fora  do  seu  alcance.


 
 
 

Os materiais de origem mineral usados no Tabernáculo são:




1. Ouro: Tanto no Antigo como no Novo Testamento, o ouro sempre está relacionado à divindade, à natureza divina, para a glória de Deus e de Deus Pai (Examine os seguintes versí culos: Jó 23.10; 1 Pedro 1.7; 2 Pedro 1.4 e Apocalipse 21. 21, 22).

2. Prata: Esse metal precioso relaciona-se com a redenção, com a expiação, com o valor do resgate e com Deus, o Filho. Essa relação se torna evidente no preço pago pela traição de Cristo, nosso resgatador ( veja também: Êxodo 30.11- 16; Zacarias 11.12,13 e 1 Pedro 1.18-20)

3. Bronze: Esse metal simboliza poder e juí zo contra o pecado, e está relacionado ao Espírit o Santo de Deus. Deus declara que se nós não atentarmos para a sua voz, o céu sobre nossas cabeças ser á como bronze (Deuteronômio 28.13- 23), expressando o juízo de Deus sobre o homem. Se nós não atentarmos para a sua voz, Ele não atentará para a nossa voz (passagens adicionais: Números 21.5-9; Jó 40.18; Isaías 4.4 e Apocalipse 1.12-15).

4. Pedras preciosas: As pedras preciosas deveriam ser utilizadas principalmente nas vestes sacerdotais, representando os vários dons do Espírito Santo, a glória dos santos, as riquezas pertencentes ao povo de Deus eos atos de justiça dos filhos de Deus. Elas dão testemunho tanto da Palavra quanto do Espírito (1 João 5.6- 11) Para referências adicionais, veja Provérbios 17.8, 1 Coríntios 3. 9-17 e Apocalipse 21.18- 20.


Revelação e da construção do Tabernáculo:





a. Ordem para trazer ofertas e material Êxodo 25. 1-9 35. 4-29
b. A arca e o propicia tó rio Êxodo 25. 10-23 37. 1-9
c. A mesa dos pães da Presença Êxodo 25. 23-30 37. 10-16
d. O candelabro de ouro Êxodo 25. 31-40 37. 17-24
e. As cortinas e coberturas Êxodo 26. 1-14 36. 8-19
f. As armações, os travessões e as bases Êxodo 26. 15-30 36. 20-34
g. O véu Êxodo 26. 31-35 36. 35-36
h. A entrada do Tabernáculo Êxodo 26. 36, 37 36. 37, 38
i. O altar de bronze Êxodo 27. 1-9 38. 1-7
j. O pátio, as coluna s, bases,ganchos e ligaduras de prata Êxodo2 7. 9-19 38. 9-20

k. O óleo do candelabro Êxodo 27. 20, 21 39. 27
l. As vestes sacerdotais Êxodo 28 39. 1-32
m. A consagra çã o dos sacerdote s Êxodo 29 Levítico 8 . 1-36
n. O altar de incenso Êxodo 30. 1-10 37. 25-28
o. O preç o da propicia çã o (resgate) Êxodo 30. 11-16 38. 21-31
p. A pia de bronze Êxodo 30. 17-21 38. 8
q. O óleo santo da unção Êxodo 30. 22, 23 37. 29
r. O incenso Êxodo 30. 34-38 37. 39
s. Os construtores Êxodo 31. 1-11 35. 30-36 . 7
t. Moisés inspeciona a obra 39. 33-49
u. Conclusão da obra: a glória de Deus enche o Santuário 40


Os sete requisitos para a construção do Santuário




1. Através de ofertas voluntárias. “
Diga aos israelitas que me tragam uma
oferta. Receba-a de todo aquele cujo coração o compelir a dar” ( Êxodo25.2).
O anseio de contribuir surgiu entre os isr aelitas em gratidão ao Senhor que os havia libertado da escravidão no Egito através do sangue doCordeiro Pascal. Esse é o tipo de oferta que interessa ao Senhor.É interessante notar que o povo de Isr ael obteve os materiais para edificar o Santuário com os próprios egípcios. Esse fato é um cumprimento direto da profecia dada a Abraão anos antes, de que Israel deveria sair com grandes riquezas ( Gênesis 15.12-16. Veja também: Êxodo 3.21,22 e 12.33- 36). Essas bênçãos que o povo recebeu das mãos dos egípcios não tinham o propósito de enriquecê-los, mas foram dadas para serem devolvidas ao Senhor. Agora era tempo de ofertar, e o povo correspondeu.


2 Pelo ânimo do povo: “
Todos os que estavam dispostos, cujo coração os impeliu a isso, trouxeram uma oferta ao SENHOR” ( Êxodo 35.21-26 e 36.2).
As pessoas se animaram para edificar o Santuário do Senhor. Da mesma forma os crist ãos deveriam se sentir animados para edificar a Casa do Senhor hoje ( Isaías 64.7 e 2 Timóteo 1.6).


3. Pela disposição das pessoas. “
Todo aquele que, de coração, estiver disposto” ( Êxodo 35. 5, 21, 22, 29; 25.1,2) . O povo de Deus deve ser constit uído por pessoas dispostas a fazer a sua vontade (Salmo 51.10-17 e Salmo 110.3) .
 

4. Com um coração voluntário: 
Um estudo dos capítulos 35 e 36 do livro de Êxodo revela que a palavra “coração” e a expressão “de todo coração” aparecem pelo menos doze vezes. As pessoas deram suas ofertas livremente, com um coração agradecido pela bondade do Senhor ( Êxodo 36.3). Essa disposição de coração é o que tem valor diante de Deus (Salmo 51. 10, 12, 17 e Marcos 7. 6) .

5. Pela sabedoria de Deus: “
Os homens capazes, a quem o SENHOR concedeu destreza e habilidade para fazerem toda a obra de construção do santuário” (Êxodo 36.1-8 e 35.10,25) . O Tabernáculo foi edificado de acordo com os crit érios de Deus dados através de Moisés. Posteriormente, o Templo foi edificado pela sabedoria
de Deus através de Salomão (1 Reis 3. 12, 13). Da mesma forma a Igreja do Novo Testamento somente será edificada pela sabedoria de Deus (Provérbios 1.1- 6; 9.1; 1 Coríntios 3.9- 11 e Efésios 1.14- 18). É importante saber que embora Moisés fosse instruído em toda a sabedoria
dos egípcios, ele dependia da sabedoria de Deus para a edificação de seu Santuário ( Atos 7.22) . A sabedoria do mundo é loucura diante de Deus (1 Coríntios 1.18-25). 


6. Pelo Espí rit o de Deus: “
E o encheu do Espírito de Deus, dando-lhe destreza, habilidade e plena capacidade artí sti ca, para desenhar e executar trabalhos em ouro, prata e bronze” ( Êxodo 35. 30 - 35 e 36.1- 3) .
 O Tabernáculo foi edificado pela capacitação e pelas habilidades do Espírito Santo concedidas aos homens. A Igreja do Novo Testamento só pode ser edificada dessa forma também. Vivemos hoje na era ou dispensação do Espírit o. Mais do que naquela época, o povo de Deus precisa estar totalmente disponível e disposto a viver na dependência do ministério do Espírito Santo de Deus (1 Coríntios 12.1- 13 e Gálatas 5.16-26) . Esta é a forma pela qual Deus realiza sua obra entre os homens.
“Não por força nem por violência, mas pelo meu Espírit o” (Zacarias 4.6) .


7. De acordo com o padrã o divino: 
“Tenha o cuidado de fazer tudo segundo o modelo que lhe foi mostrado no monte” ( Hebreus 8.5; Êxodo 25.40; 26.30; 27.8; Números 8.4 e Atos 7. 44).
A leitura atenta dos cap í tulos 39 e 40 do livro de Êxodo revela que por 17 vezes é mencionado que Moisés edificou o Tabernáculo “como o SENHOR tinha ordenado a Moisés”. Além disso, em pelo menos sete outras passagens foi dito a ele para fazer todas as coisas de acordo com o padrão de Deus. Nada foi deixado para a mente ou imaginação do homem. Tudo deveria ser feito de acordo com o modelo de Deus. Deus somente pode abençoar e confirmar com glória aquilo que é feito de acordo com o padrão da sua Palavra. A Igreja do Novo Testamento também deve estar sujeita ao mesmo padrão de Deus.




Comentário Homilético do Pregador - Completo - Autoplay

 

Traduzido por REIS BOOK
Criação do Autoplay Pastor Digital
Comentário Homilético completo do Pregador, editado por Joseph Exell, é um prático e completo ajuda para o sermão (e aula) planejamento, preparação e estudo. Abrangendo 37 volumes e cerca de 19 mil páginas, este é um dos maiores comentários theWord já criados.
Escrito por pregadores, por isso, quem ensina ou estuda a Palavra de Deus vai lucrar com esta pregação expositiva.

Sua estrutura analítica e organizacional permite:

• Limpar e envolventes sermões e estudos bíblicos.
• Orientação substancial na aplicação da Bíblia para o público
• Teológicos contornos de passagens
• Expositivas , explicativas , sugestivos e críticas Notas
• Citações de pregadores famosos, estudiosos e autores.
• Sermão / passagem / verso ilustrações .
• Passagem de Fluxo de Trabalho
• O fluxo de trabalho passagem geralmente inclui (com algumas variações):
• Notas Críticas
• Principais Homilética do Parágrafo
• Sugestivos comentários sobre os versículos
• Ilustrações de passagens Bíblicas

OBS: ARQUIVOS EM WORD


http://www.mediafire.com/file/ovkiau1jdiq5d5f/pd.rar

Água e Sangue




As Escrituras mencionam muitas vezes esses dois elementos, água e sangue. 
Ambos eram os agentes principais de purificação nas leis cerimoniais do Antigo Testamento para Israel, “a congregação  no deserto” (At 7.38).
 

O sangue é visto no sentido de purificação nos seguintes exemplos:

O sangue do cordeiro pascal (Êx 12)
O sangue do Dia da Expiação (Lv 16)
O sangue das ofertas nas festas do Senhor (Lv 23)
As cinco ofertas levíticas (Lv 1-7)
O sangue da propiciação pela alma (Lv 17.11-14)
O sangue (a vida) que clamava a Deus (Gn 4; Hb 12.22-24)
 

A água é vista com relação às purificações cerimoniais nos seguintes casos:

As águas da purificação e as cinzas da novilha vermelha (Nm 19)
A água na consagração do ministério sacerdotal (Lv 8.6)
Agua na purificação do leproso (Lv 14.1-8)
As lavagens (imersões) purificadoras da Lei (Hb 9.10)
O batismo de Israel na nuvem e no Mar Vermelho (Êx 13-14; 1 Co 10.1,2)
A experiência de Israel no Jordão (Js 4.19,5.10)



CARACTERÍSTICAS DO MINISTRO DO EVANGELHO


Triunfante (2Co 2.14-6.18) 
Sincero (2Co 2.17)
Aprovado (2Co 3.1-3) 
Dependente (2Co 3.4,5) 
Superior (2Co 3.6-18) 
Receptivo (2Co 4.2)
Confrontado satanicamente (2Co 4.3,4) 
Honra a Cristo (2Co 4.5-7) 
Sofredor (2Co 4.8-18) 
Confiante (2Co 5.1 -9) 
Persuasivo (2Co 5.10-17) 
Representante (2Co 5.18-21) 
Irrepreensível (2Co 6.1-7) 
Paradoxal (2Co 6.8-10) 
Separado (2Co 11-18)

A ARCA DA ALIANÇA -Ê x 25.10-22; 37.1-9; 40.20,21; Lv 16.13-15




1. Tipos de arca
No Antigo Testamento, Deus dispôs a revelação da verdade divina em três diferentes arcas,
todas indicando um sentido de preservação. A primeira arca mencionada nas Escrituras é a arca
de Noé (Gn 6.13-9.18). Esta arca foi fabricada com madeira de cipreste e revestida de piche por
dentro e por fora. O conceito de preservação é evidente nessa arca, pois nela foram preservadas
as vidas dos animais e de oito pessoas, salvando-as das águas do juízo e da morte (1 Pe 3.20).
A segunda arca mencionada no Antigo Testamento foi preparada para preservar a vida
de um bebê, Moisés, e a chamaremos aqui de arca de Moisés (Êx 2.3-6). Esta arca era feita
de junco e vedada com piche por dentro e por fora, assim como a arca de Noé. Aqui, também,
podemos notar que a arca foi usada para preservar o bebê Moisés das águas da morte. É
interessante notar que a palavra hebraica “tebah” é usada para se referir a essas duas arcas,
significando literalmente “caixa, baú, embarcação ou arca”.
A terceira arca referida na Bíblia é a arca da aliança. Ao mencionar essa arca, a Bíblia
emprega uma palavra hebraica totalmente diferente, “arown”, que significa “baú ou arca”,
mas também carrega uma série de outras conotações. Em Gênesis 50.26, esta mesma palavra
é usada com relação ao caixão (sarcófago) de José. Em outra passagem, em 2 Reis 12.10,11,
encontramos essa palavra usada em referência a uma caixa (cofre) para guardar dinheiro. Po­
rém, essa palavra é usada com mais frequência em relação à arca da aliança. A arca da aliança é
mencionada no Antigo Testamento com vários títulos ou nomes diferentes. Ela é chamada de:


1. Arca do testemunho (Êx 25.22)
2. Arca da aliança do Senhor (Nm 10.33)
3. Arca do Soberano, o Senhor (1 Rs 2.26)
4. Arca do Senhor, o Soberano de toda a terra (Js 3.13)
5. Arca de Deus (1 Sm 3.3)
6. Arca sagrada (2 Cr 35.3)
7. Arca de tua fortaleza (SI 132.8 - ERA)
8. Arca da aliança de Deus (Jz 20.27 - ERA)
9. Arca da aliança (Js 3.6)
10. Arca do Senhor ( Js 4.11)
11. Arca do Deus de Israel (1 Sm 5.7)
12. Arca de madeira de acácia (Êx 25.10)

HISTÓRIA DA IGREJA EM CD AUTOPLAY -VENDA PROIBIDA

 

De Cristo à Pré-Reforma:
História da Igreja oferece uma visão contextual única de como a Igreja cristã se espalhou e se desenvolveu. O crescimento da Igreja deu-se em um cenário de tempos, culturas e acontecimentos que tanto a influenciaram como foram influenciados por ela. História da Igreja examina atentamente a ligação essencial entre a história do mundo e a da Igreja.
O Volume 1 explora o desenvolvimento da Igreja desde os dias de Jesus até os anos anteriores à Reforma. Os mapas, gráficos e ilustrações oferecem uma visão geral dos mundos romano, grego e judaico.
A obra traz noções sobre a relação da Igreja com o Império Romano, com vislumbres das atitudes pagãs em relação aos cristãos, o lugar da arte e da arquitetura, da literatura e da filosofia, ao mesmo tempo sagradas e seculares, e muito mais, abrangendo o tempo que se estende do primeiro ao século
 13. 
http://www.mediafire.com/file/1stulxdjnbb639s/Historia+da+Igreja++-+Everett+Ferguson.exe



Ele sustenta a obra da criação.


A provisão consiste em preservação e governo. O universo não subsistiria por si só
se não fossem a provisão e o governo de Deus: “(...) E sustentando todas as coisas pela
palavra do seu poder (...)” (Hb  1.3); “E ele é antes de todas as coisas, e todas as coisas
subsistem  por ele”  (Cl  1.17).  Ambos os  textos  referem-se ao  Filho, o  que  confirma  a
Sua divindade, reforçando a doutrina da Trindade, mostrando que o Deus Trino está
por trás de todas as coisas, garantindo sua sobrevivência.


A  sustentação  da  criação  não  significa  que  o  mundo  continue  em  processo  de
criação contínua, como sugerem alguns, principalmente os que defendem um criacionismo evolutivo. A oração de Neemias expressa convicção de que o Criador é também
o sustentador de todas as coisas:  “Tu só és  Se n h o r ,  tu fizeste o céu, o céu dos céus e
todo o seu exército, a terra e tudo quanto nela há, os mares e tudo quanto neles há; e tu
os guardas em vida a todos, e o exército dos céus te adora” (Ne 9.6). Criação, preserva­
ção e governo são instâncias distintas. “A criação é a produção de algo a partir do nada.
A preservação é a sustentação de algo que já existe.

O governo de Deus, como parte da providência, é também algo a ser seriamente
considerado,  ainda  que  essa  compreensão  implique  algumas  dificuldades.  Não  seria
lógico pensar que um Deus criador do universo não se importasse com ele. O governo
divino sobre o universo reflete os atributos da onipotência, onipresença e onisciência
de  Deus.  Os  astros,  os  planetas  e  as  constelações  dependem  do  controle  divino para
que  se movimentem harmoniosamente  no  espaço  sideral,  do  mesmo  modo  como  as
ondas do mar que obedecem aos seus limites (Pv 8.27).

A providência divina pode ser constatada em relação à natureza, aos indivíduos,
ao seu povo, às nações, ao mundo, aos governos e aos animais.  Deus é livre para agir
onde  quer,  com  quem  quer,  quando  quer  e  como  quer. 

Em  relação  à  natureza-. “(...)
Para que sejais filhos do Pai que está nos céus; porque faz que o seu sol se levante sobre
maus e bons e a chuva desça sobre justos e injustos”  (Mt 5.45);  “Não se vendem dois
passarinhos por um ceitil? E nenhum deles cairá em terra sem a vontade de vosso Pai”
(Mt 10.29). 

Em relação aos  indivíduos-,“O Senhor é o que tira a vida e a dá; faz descer à
sepultura e faz tornar a subir dela. O Senhor empobrece e enriquece; abaixa e também
exalta”  (1  Sm 2.6,7); “Porque nem do Oriente, nem do Ocidente, nem do deserto vem
a exaltação. Mas Deus é o juiz; a um abate e a outro exalta” (SI 75.6,7); “Do coração do
homem são as preparações do coração, mas do Senhor, a resposta da boca” (Pv 16.1);
“O  coração  do  homem considera o  seu caminho,  mas o Senhor lhe  dirige os passos”
(Pv 16.9). 

Em relação ao Seu povo: “E eu darei graça a esse povo aos olhos dos egípcios;
e acontecerá que, quando sairdes, não saireis vazios” (Êx 3.21). 

Com relação às  nações:“Ele domina eternamente pelo seu poder; os seus olhos estão sobre as nações; não se
exaltem  os  rebeldes”  (SI  66.7);  “Ai  da  Assíria,  a vara  da  minha  ira!  Porque  a  minha
indignação  é  como bordão  nas  suas  mãos.  Enviá-la-ei  contra uma nação  hipócrita e
contra o povo do meu furor lhe darei ordem, para que lhe roube a presa, e lhe tome o
despojo, e o ponha para ser pisado aos pés, como a lama das ruas, ainda que ele não
cuide assim,  nem  o seu coração assim o  imagine;  antes, no  seu coração,  intenta des­
truir e desarraigar não poucas nações”  (Is  10.5-7);

em relação ao  mundo: “E todos os
moradores da terra são reputados em nada; e, segundo a sua vontade, ele opera com o
exército do céu e os moradores da terra; não há quem possa estorvar a sua mão e lhe
diga: Que fazes?” (Dn 4.35); 

em relação aos governos:“Bendito seja o Senhor, Deus de
nossos pais, que tal inspirou ao coração do rei, para ornarmos a Casa do Senhor, que
está em Jerusalém”  (Ed  7.27);  “Como  ribeiros  de  águas,  assim  é o  coração  do  rei  na
mão do Senhor; a tudo quanto quer o inclina” (Pv 21.1).

Em relação aos animais:“Os
leõezinhos bramam pela presa e de Deus buscam pelo seu sustento” (SI 104.21); “Olhai
para as aves do céu, que não semeiam, nem segam, nem ajuntam em celeiros; e vosso
Pai  celestial  as  alimenta.  Não  tendes  vós  muito  mais  valor  do  que  elas?”  (Mt  6.26).
Como vemos, Deus não apenas sabe de tudo, mas também exerce Seu controle sobre
tudo, embora não compreendamos por que as coisas parecem estar fora do Seu domí­
nio, senão pelo fato, não obstante, de que “ todo o mundo está no maligno” (1 Jo 5.19).


O CARÁTER DE DEUS



Muitos traços de caráter de Deus são revelados pela primeira vez em Gênesis

Deus é o Criador — 1:1-31.        
Deus é fiel (cumpre suas promessas) — 12:3,7; 26:3,4; 28:14; 32:9,12.        
Deus é justo — 18:25.        
Deus é longânime — 6:3.       
 Deus é amoroso — 24:12.        
Deus é misericordioso — 19:16,19
Deus é onipotente — 17:1.        
Deus é poderoso — 18:4.        
Deus é providente — 8:22; 24:12-14,48,56; 28:20-21; 45:5-7; 48:15; 50:20.        
Deus é verdadeiro — 3:4,5; 24:27; 32:10.        
Deus é colérico — 7:21-23; 11:8; 19:24,25.


PRINCIPAIS DOUTRINAS



A maior parte dos ensinamentos centrais do cristianismo tem sua raiz no livro de Gênesis

Deus Pai — a autoridade de Deus na criação (1:1-31; Sl 103:19; 145:8-9; 1Co 8:6; Ef 3:9; 4:6).       

 Deus Filho — o agente de Deus na criação (1:1; 3:15; 18:1; Jo 1:1-3; 10:30; 14:9; Fp 2:5-8; Cl 1:15-17; Hb 1:2).        

Deus Espírito Santo — a presença de Deus na criação (1:2; 6:3; Mt 1:18; Jo 3:5-7).        

Deus uno e trino (a Trindade) — um só Deus em três pessoas (1:1,26; 3:22; 11:7; Dt 6:4; Is 45:5-7; Mt 28:19; 1Co 8:4; 2Co 13:14

Seres humanos — criados à imagem de Deus, porém caídos no pecado e carentes de um Salvador (1:26; 2:4-25; 9:6; Is 43:7; Rm 8:29; Cl 1:16; 3:10; Tg 3:9; Ap 4:11).        

Pecado (a queda) — a contaminação de toda a criação com o pecado mediante a rebeldia contra Deus (2:16,17; 3:1-19; Jo 3:36; Rm 3:23; 6:23; 1Co 2:14; Ef 2:1-3; 1Tm 2:13-14; 1Jo 1:8).        

Redenção — o resgate do pecado e a restauração realizada por Cristo na cruz (3:15; 48:16; Jo 8:44; 10:15; Rm 3:24-25; 16:20; 1Pe 2:24).       

 Aliança — Deus estabelece relacionamentos e faz promessas (15:1-20;       17:10-11; Nm 25:10-13; Dt 4:25-31; 30:1-9; 2Sm 23:5; 1Cr 16:15-18; Jr 30:11;       32:40; 46:27-28; Am 9:8; Lc 1:67-75; Hb 6:13-18).        

Promessa — Deus se compromete com o futuro (12:1-3; 26:3-4; 28:14; At 2:39; Gl 3:16; Hb 8:6).        

Satanás — o primeiro rebelde entre as criaturas de Deus (3:1-15; Is 14:13-14; Mt 4:3-10; 2Co 11:3,14; 2Pe 2:4; Ap 12:9; 20:2).       

 Anjos — seres especiais criados para servir a Deus (3:24; 18:1-8; 28:12; Lc 2:9-14; Hb 1:6,7, 14; 2:6,7; Ap 5:11-14).       

 Revelação — revelação natural ocorre à medida que Deus se comunica indiretamente por meio daquilo que ele fez (1:1-2; Rm 1:19,20); revelação especial ocorre quando Deus se comunica diretamente, bem como de outro modo incognoscível (2:15-17; 3:8-19; 12:1-3; 18:1-8; 32:24-32; Dt 18:18; 2Tm 3:16; Hb 1:1-4; 1Pe 1:1-12).        

Israel — o nome dado a Jacó por Deus e que se tornou a denominação da nação da qual ele foi o pai; herdeiros da aliança de Deus com Abraão (32:28;35:10; Dt 28:15-68; Is 65:17-25; Jr 31:31-34; Ez 37:21-28; Zc 8:1-17; Mt 21:43; Rm 11:1-29).       

 Juízo — a resposta justa de Deus ao pecado (3; 6; 7; 11:1-9; 15:14; 18:16-19;       Dt 32:39; Is 1:9; Mt 12:36,37; Rm 1:18—2:16; 2Pe 2:5,6).       

 Bênção — benefício especial ou afirmação cheia de esperança para alguém a respeito de sua vida (1:28; 9:1; 12:1-3; 14:18-20; 27:1-40; 48:1-20; Nm 6:24-27;       Dt 11:26,27; Sl 3:8; Ml 3:10; Mt 5:3-11; 1Pe 3:9)

QUAL DEVE SER MINHA RESPOSTA À BÍBLIA?




Creia nela (Jo 6:68-69)
Honre-a (Jó 23:12).        
Ame-a (Sl 119:97).        
Obedeça-lhe (1Jo 2:5).        
Guarde-a (1Tm 6:20).        
Lute por ela (Jd 3).       
 Pregue-a (2Tm 4:2).        
Estude-a (Ed 7:10).

A Bilia como Fonte



A Bíblia é a fonte da verdade: “Santifica-os na verdade; a tua palavra é a verdade” (Jo 17:17).       

A Bíblia é a fonte da bênção de Deus quando obedecida: “Antes, felizes são aqueles que ouvem a palavra de Deus e lhe obedecem” (Lc 11:28).        

A Bíblia é a fonte da vitória: “[...] e a espada do Espírito, que é a palavra de Deus” (Ef 6:17).        

A Bíblia é a fonte do crescimento: “Como crianças recém-nascidas, desejem de coração o leite espiritual puro, para que por meio dele cresçam...” (1Pe 2:2).        

A Bíblia é a fonte do poder: “Não me envergonho do evangelho, porque é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê: primeiro do judeu, depois do grego” (Rm 1:16).        

A Bíblia é a fonte da direção: “A tua palavra é lâmpada que ilumina os meus passos e luz que clareia o meu caminho” (Sl 119:105).

Deus de todas as coisas



O Deus de Israel é efetivamente um Deus dos montes, mas Ele é também:

O Deus dos vales (Êx 1 7 . 8 1 ;13־  Sm 17.3,49).
O Deus das montanhas (1  Rs 18.19,40).
O Deus das planícies (Jz 11.33).
O Deus das águas (Êx 14.27,28).
O Deus do fogo (Dn 3.19-26)


Quem Deve Ser Evangelizado?



Quando Jesus esteve no Mundo revelou o seguinte: “Porque o Filho 
do Homem veio buscar e salvar o que se havia perdido Portanto os crentes devem evangelizar

Os perdidos (Lc 19.10). 
Os publicanos (Mt 21.31; Lc 19.2). 
As meretrizes (Mt 21.31). 
Os doentes espirituais (Lc 5.31). 
Os pecadores (Lc 5.31). 
Os religiosos que não nasceram de novo (Jo 3.3, 5).
Os viciados e os criminosos (Lc 23.33). 
Os discriminados da sociedade (Lc 7.36-50). 
Os oprimidos pelo Diabo (Lc 4.18). 
Os pobres (Lc 7.22). 
Os ricos (Mt 10.17-27). 
Os sacerdotes (At 6.7). 
Os que têm altos cargos (At 8.26-39). 
Os pagãos (At 14.6-19). 
Os reis (At 26.19). 
Toda criatura (Mc 15.16).

Quais são as boas novas que Jesus Cristo trouxe ao Mundo?




Que Deus amou o Mundo de forma incondicional (Jo 3.16). 
Que Deus ama cada pessoa em particular (Rm 5.8). 
Que Deus tem a solução para o problema do pecado (Jo 1.29). 
Que Jesus veio buscar e salvar os perdidos (Lc 19.10). 
Que Jesus veio para libertar os oprimidos (Lc 4.18). 
Que Jesus veio para curar os doentes (Lc 41.18). 
Que Deus se compadece dos que sofrem (Mt 9.36)
Que são inúmeros os benefícios que Jesus conquistou para nós mediante Sua morte, ressurreição e ascensão. 
Que Deus quer que todos se salvem (íTm 2.4). 
Que Deus removerá todo o mal do Mundo e criará tudo novo para a felicidade de todas as Suas criaturas (iPe 3.12,13;Ap 21.1).